Os 4 C’s da Governança Corporativa

“Conselheiros atentos aos 4 C’s estão prontos e bem posicionados para enfrentar desafios.”

Empresas de todo o mundo vêm enfrentando uma tempestade de desafios. Incertezas econômicas, geopolíticas e climáticas; tecnologias disruptivas; ameaças à segurança cibernética; ética e cultura corporativa; dentre outros. Os investidores confiam aos Conselhos de Administração a responsabilidade de navegar em meio a essa tempestade, demandando eficiência operacional, retorno financeiro e valorização do preço das ações.

Por sua vez, os investidores ativistas estão cada vez mais vigilantes, desafiando a estratégia do negócio e, principalmente, a capacidade do Conselho em conduzi-la. Além disso, os investidores institucionais estão mais propensos a questionar as habilidades e conhecimentos dos Conselheiros e sua capacidade para evitar ou mitigar riscos, bem como garantir a criação de valor no longo prazo.

À luz dessa dinâmica, os Conselhos de Administração devem se concentrar em quatro “C’s”: composição, comunicação, conexão e certificação. Uma pesquisa recente da consultoria PwC, com quase 900 conselheiros, identificou que 73% dos entrevistados reconhece que a diversidade nos Conselhos de Administração é benéfica.

A diversidade oferece perspectivas únicas, aperfeiçoando o processo decisório e reforçando a reputação da organização.

O Conselho de Administração é um dos ativos estratégicos mais críticos de uma empresa e deve aproveitar as opiniões divergentes na hora de resolver problemas e inovar. Os Conselhos estão sob escrutínio diário, com expectativas crescentes quanto ao seu dever de diligência e responsabilidade. Mais do que nunca, práticas de Governança Corporativa transparentes são determinantes para o sucesso organizacional. Uma comunicação efetiva (disclosure), portanto, é mister, indo além do desempenho financeiro, mas também mostrando como a empresa contribui positivamente para a sociedade.

Como resultado, empresas vêm ampliando seus esforços no engajamento com os acionistas, estabelecendo uma saudável conexão. Os investidores podem nem sempre sentir a necessidade de se envolver com uma determinada empresa ou seus Conselheiros, porém esta disponibilidade reforça a credibilidade, especialmente diante de situações desafiadoras.

Por último, mas não menos importante, está a certificação. Para os conselheiros, a certificação atesta competência, habilidades e padrões de conduta. Para as organizações, ter no Conselho executivos certificados potencializa os processos de relacionamento, planejamento e tomadas de decisão. À medida que avançamos, os desafios se sucederão. Alguns conhecidos, outros não, mas uma coisa é possível afirmar: Conselheiros atentos aos 4 C’s estão prontos e bem posicionados para enfrentar desafios.

SOBRE O AUTOR:

Andriei Beber

Andriei José Beber é especialista e palestrante nas áreas de Finanças, Gestão e Governança. Atualmente, integra o corpo docente da Universidade do Vale do Itajaí (Univali), onde coordenou a pós-graduação. Conselheiro de Administração  certificado pelo IBGC, tem experiência nas áreas de finanças, controladoria, estratégia, remuneração e sustentabilidade. Também é professor do Programa de Cursos Conveniados da FGV Management e possui mais de 100 trabalhos publicados no Brasil e exterior.

Quer saber mais ou entrar em contato com o Andriei? Clique aqui e visite o perfil dele no BoardPlace.

Avalie este artigo: 1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas 6 

Você pode gostar...

X